Região dos Vinhos!

Saindo de Púcon pegamos a famosa Rodovia Panamericana, que vai do Chile até o Alaska, indo em direção à Viña del Mar. Até este momento não tínhamos pago praticamente nenhum pedágio, com exceção do Brasil e Uruguai (poucos), mas mal passamos por Temuco e foi um atrás do outro. De fato, a estrada é boa, mas as distâncias entre as praças de pedágios e os preços são abusivos.

No trajeto nos limitamos a parar somente em uma bodega para conhecermos os vinhos da região do vale central, mas ainda faltava muito para o destino e não dava para degustar e depois dirigir, então continuamos nossa viagem. Chegamos a Viña del Mar onde ficamos por três dias, trânsito intenso, preços mais altos. Gostamos, mas esperávamos mais da cidade e de Valparaíso também onde passamos um dia. Levantamos cedo e fomos para a capital chilena, penúltima cidade a ser visitada por nós neste país.

Os muitos vinhos chilenos!
Os muitos vinhos chilenos!

Depois de ficar por muito tempo circulando por cidades pequenas é complicado e desgastante entrar nas grandes cidades, logo começam as buzinas, sinais, gente para todo lado, nossa idéia era chegar a um hotel e estacionar o carro e para sairmos caminhando. O dia estava lindo, finalmente depois de muito frio, vento e chuva encontramos o sol! Conseguimos andar de camisa sem manga, sandália e tomar sorvete à noite.

Gostamos muito da cidade. Santiago é bonita, e tem um clima gostoso. Comemos no Mercado Municipal frutos do mar e estava maravilhoso, no Chile nunca desperdiçamos uma oportunidade de comer um salmão branco, que além de delicioso é bem econômico. O Chile atualmente tem várias bodegas que oferecem degustação e visitas guiadas, todas afastadas das cidades e o legal é você ir num grupo para poder apreciar, nosso caso era diferente e só experimentamos mesmo no restaurante. Depois de outros três dias bem aproveitados era hora de seguir para a Argentina pela última vez!

Quando montamos o roteiro inicial tínhamos como idéia principal seguir pelo norte do Chile até entrarmos na Bolívia, mas depois de tantas conversas ficamos mais tentados a conhecer o norte da Argentina e foi o que fizemos.

Subimos a estrada pelo Paso dos Libertadores – único lugar até agora em que nos fizeram abrir barraca, caixas e revistar todo o carro, isto do lado argentino, mas como quem não deve não teme, ficamos lá parados por quase 1h esperando que terminassem seu trabalho e nos liberassem – atingindo uma altitude de mais de 3000m, como a subida é rápida logo deu uma forte dor de cabeça. Paramos para conhecer o Parque Provincial Aconcágua, conhecido como pico das Américas com 6962m.

Chegamos a Mendoza e fomos procurar o camping, afinal de contas o tempo tinha melhorado e queríamos muito voltar a dormir na nossa “casa”. O que queríamos fazer era o tour pelas bodegas da região, mas como chegamos sábado tarde não era possível e domingo não funcionavam, se quiséssemos seria somente para segunda e na verdade não estávamos tão a fim de ficar mais tempo por ali, então aproveitamos para assistir um cineminha que fazia muito que não íamos. No camping conhecemos uma simpática família que foi passar o dia no parque (mesmo lugar do camping), nos deram algumas dicas e nos despedimos. A coisa mais inusitada é que o camping fica situado perto do zoológico, e podem acreditar, à noite escutávamos os leões! Foi aterrorizante!

Seguimos para o Parque Provincial de Ischigualasto, Patrimônio da Humanidade (único lugar no mundo onde existe uma seqüência completa de sedimentos continentais do período triássico da era mesozóica), e encontramos uma simpática cidadezinha chamada Villa Unión onde dormimos, foi também neste lugarejo que conhecemos no posto de abastecimento o Adrian, ex-lutador de jiu-jítsu argentino e que foi de Mendoza até o Alaska de bicicleta há 14 anos, e por coincidência descobrimos que tínhamos um conhecido em comum, Martin Oliver um argentino que fez toda a patagônia de moto e com quem cruzamos pelo menos em quatro cidades. Quando ele mencionou o nome logo ligamos as coisas e ele nos disse que fazia pouco que ele tinha passado por lá e que morava em uma pequena cidade mais ao norte chamada Cachi. Despedimos-nos e decidimos então que passaríamos para dar um alô ao Martin.

As formações de Ischigualasto!
As formações de Ischigualasto!

Seguimos pela Ruta del Vino e chegamos à Cafayate, lá conseguimos um bom lugar em frente a praça principal por um preço excelente. O povo local é extremamente simpático e atencioso, os preços são bem melhores e a arquitetura colonial e as influências indígenas se destacam mais. Conhecemos a Quebrada de Cafayate e ficamos maravilhados com as intensas cores dos montes, também visitamos as ruínas de Quilmes e gostamos muito. O próximo destino era Salta, mas antes fomos dar uma passada na pequena Cachi e ver nosso amigo de estrada, o Martin Oliver.

Os pimentões vermelhos de Cachi!
Os pimentões vermelhos de Cachi!
Cachi, um pacato vilarejo!
Cachi, um pacato vilarejo!

Já sabíamos que ele tinha um café na cidade e não foi difícil encontrá-lo. Cachi é uma cidadezinha muito charmosa que fica em um vale, é conhecida por seus pimentões vermelhos. Almoçamos lá e acabamos dormindo em uma casa de família, pois o caminho para Salta seria longo, nosso amigo nos presenteou com as melhores empanadas que já comemos e um café muito saboroso, além de um DVD com imagens desta região, é bom fazer amigos pelo caminho, e melhor ainda poder reencontrá-los. Logo cedo fomos em direção a Salta, passamos pelo Parque Nacional los Cardones com paisagens encantadoras e muitos cactos, depois de subirmos uma longa serra com curvas bem fechadas chegamos ao vale e nos deparamos com Um pessoal empurrando uma van. Paramos para perguntar se poderíamos ajudar, nos disseram que estavam subindo e nos oferecemos para puxar a van até o local que precisavam, mas sabíamos que subir toda a serra era impossível, mas como disseram ser apenas alguns poucos quilômetros fomos ajudar. Quando chegamos num local eles decidiram voltar porque viram que não seria possível seguir dali em diante, novamente os puxamos por mais três quilômetros, eram mulheres, crianças e homens, paramos o carro e todos vieram nos cumprimentar e agradecer pela ajuda nos deram uma garrafa de coca-cola como agradecimento e tiraram algumas fotos. Ficamos tão felizes em poder ajudá-los que eles sequer podem imaginar. Estar na posição de quem pode ajudar é sempre algo gratificante, pois é sempre melhor do que estar precisando de ajuda.

Já em Salta e fomos para a praça principal, tínhamos só um dia para ficarmos ali e fomos logo ver o Museu de Alta Montanha onde estão as “múmias de salta”, três crianças encontradas no monte Llullaillaco. Depois visitamos o Museu de Arte Contemporânea onde dois brasileiros estavam expondo, achamos o máximo, percorremos as ruas principais, jantamos e fomos dormir no camping.

Salta!
Salta!

Nossa estadia na Argentina estava chegando ao fim, e apenas um dia nos separava deste momento, e o destino final escolhido por nós foi Purmamarca, mas antes passamos para almoçar em Tilcara. As cidades aqui são pequenas com casas de adobe, igrejas caídas, muito poeira e emolduradas pela Quebrada de Humamarca. Encontramos um camping e saímos para jantar, na entrada do restaurante encontrarmos quatro brasileiros que viajam de moto e com quem jantamos juntos e trocamos informações. Foi uma ótima noite e um bom fechamento para nos despedirmos da Argentina. Dia seguinte levantamos e fomos para nosso último paso em direção a San Pedro de Atacama no Chile, o de Jama.

Surpresa salgada na decida do Paso de Jama!
Surpresa salgada na decida do Paso de Jama!

O Paso de Jama foi um dos mais bonitos por onde passamos, mas novamente a altitude nos afetou. Lindas paisagens, e pela primeira vez estávamos deslumbrando o nosso próximo país de destino a Bolívia.

Chegamos finalmente em San Pedro de Atacama. Lugar rústico com construções em adobes e muito, muito cara. Conseguimos um camping por R$80,00, dá para imaginar um camping por este preço?! Pelo menos era legal, com duchas e sanitários limpos, piscina e bem tranqüilo, mas por um preço bem salgado, assim como todo o lugar, rsrs! Além de terem roubado nossa bandeira do Brasil…

Ficamos apenas dois dias, e pegamos a estrada em direção à Bolívia, hora de novidades!

Anúncios

4 comentários Adicione o seu

  1. NEIA E EMILIO disse:

    OLÁ AMIGOS! CONHECEMOS ESSA REGIÃO… O PASO DE JAMA, PUMAMARCA COM SUAS CORES BEM DIFERENTES… É UMA REGIÃO BEM LINDA! E SAN PEDRO QUE É CARO MESMO… PASSAMOS O REVEILLON AÍ NUM CAMPING TBM E FOI CARO PRA CARAMBA…MAS A REGIÃO É BEM INTERESSANTE.. NÃO VISITARAM AS TERMAS???APROVEITEM CADA SEGUNDO VIVIDO… E BOA VIAGEM… BJS DA NEIA E EMILIO DE TERESÓPOLIS/RJ

    1. expedicaoih disse:

      Olá Néia e Emílio,

      Gostamos de ter visitado o Deserto do Atacama, afinal de contas é tudo novidade para nós, quanto às termas nós só paramos, mas não entramos na água.
      No mais estamos bem e aproveitando ao máximo cada momento.
      Beijo grande para vocês!

  2. Daniele disse:

    E’ stato un vero peccato che non ci siamo incontrati a Mendoza. Diverse cantine (bodegas) sono aperte anche la domenica e avrei potuto farvele conoscere, oltre naturalmente il piacere di potervi ospitare. Speriamo che ci sia una seconda opportunitá, magari in Africa fra due o tre anni.
    Vedo che ormai siete entrati in Bolivia e suppongo che sarete entrati dalla laguna verde e visiterete poi tutti i laghi colorati dell’altopiano e infine il Salar de Uyuni. Sicuramente vi sembrerá tutto entusiasmante.
    Ho visto le foto in Cile e Argentina e sono veramente belle.
    Buona continuazione del viaggio.
    Daniele

    1. expedicaoih disse:

      Ciao Daniele,

      Siamo rimasti pocho tempo a Mendoza e certamente dovremo ritornare alcuno giorno per conoscere veramente questa città e suoi vini molto famosi. In alcuni giorni metteremo su site fotos di Bolivia e si, le laghi sono molto belli e con colori incredibili!
      Africa sarà sempre una buona scelta, magari in due anni!
      Grazie mille!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s