Mudança de planos!

Em nossa rota inicial tínhamos programado depois de chegar à Otavalo seguir para Guayaquil no litoral equatoriano e lá embarcarmos o carro para o Panamá, mas já faz um tempo que cogitamos a possibilidade de entrar na Colômbia e enviar o carro de Cartagena direto para Miami, assim ganharíamos tempo para aproveitar mais o sol nos Estados Unidos e Canadá, e foi o que decidimos.

Saímos de Otavalo direto para a fronteira e foi tudo muito rápido, também na Colômbia é exigido SOAT (seguro de carro), mas apresentamos o nosso contratado no Brasil e não tivemos problema. Quando saímos do Equador chovia muito e por estas bandas a água continuava caindo, sabíamos que esta parte da viagem seria inteiramente nova, pois não pensávamos em atravessar o país, mas depois de tantos viajantes terem nos dito que seria uma perda, não podíamos deixar passar a oportunidade.

Nosso primeiro destino foi a cidade de Pastos que certamente tem seus atrativos, mas que com chuva e neblina não nos animou muito, ainda mais que muitas das atividades dependem de uma boa visibilidade. Tivemos que abastecer pela primeira vez e sentimos o gosto salgado do preço do diesel R$1,80 o litro.

Existem militares e policiais por toda parte e eles são extremamente educados e gentis, a Colômbia passou por um período negro, mas se encontra reerguida e recebendo muitos turistas, claro que devem ser tomadas precauções contra furtos como em qualquer outra cidade por onde passamos, e também vale seguir viagem pelas estradas principais, mas no geral nos sentimos muito seguros.

Popayan foi de fato nossa primeira parada no país, ela é conhecida como a cidade branca da Colômbia, tem um centro histórico lindo, apesar da infra-estrutura não ser das melhores, é difícil encontrar restaurantes na praça principal, bem diferente das demais cidades com os mesmos aspectos por onde passamos, mas vale a visita. Aqui já deu para notar que a comida não é barata, pelo contrário se fugir dos menus principais vai gastar uma grana, mas existem sempre opções mais econômicas. Foi aqui que experimentamos arepa, e descobrimos que não gostamos muito deste pão de milho.

Saímos de Popayan passando por Cali, ali pegamos um desvio que acabou não dando em nada, mas em questão de poucos minutos um colombiano em um carro pára do nosso lado e pergunta se precisamos de ajuda, explicamos que queríamos voltar para a estrada principal e ele gentilmente nos vai guiando. Voltamos para a estrada e fomos para a Zona Cafeteira, escolhemos como cidade base Salento, pequena e charmosa. Aqui tivemos contato maior com o povo deste país, quando procurávamos hospedagem encontramos um lugar agradável e fomos perguntar sobre o preço, Luís, o filho dos donos veio nos informar e mostrar as instalações, e como vimos que tinha um lindo jardim com áreas gramadas perguntamos se poderíamos acampar e assim economizar, ele perguntou quanto poderíamos pagar para acampar demos um valor parecido com dos campings onde ficamos em outro país e ele disse que ia perguntar, quando voltou disse que poderíamos ficar no quarto pelo mesmo preço do camping, dissemos que não nos incomodávamos em dormir na barraca, mas ele disse que também não era problema para eles, pois a pousada naquele momento estava vazia, também nos permitiu usar a cozinha para prepararmos nossa comida. Ficamos imensamente gratos e passamos bons momentos na companhia dele e gozamos bastante deste lugar que é conhecido pelo seu delicioso café.

Muito café e beleza por Salento!
Muito café e beleza por Salento!
As cores de Salento!
As cores de Salento!

Da Zona Cafeteira pensávamos em ir direto para Bogotá, mas como fomos percebendo no caminho que chegaríamos tarde, acabamos dormindo num lugar lindo uns 90 km antes da capital chamado Lago Sol (trata-se de um complexo aquático com várias piscinas, lago, quadras esportivas, vegetação e animais), e o melhor tinha camping. Fizemos a ficha e fomos seguindo para o camping quando o senhor nos disse que deveríamos deixar o carro no estacionamento, percebemos que não tinha ficado claro para o pessoal que nossa barraca era presa no teto do carro, mas tudo bem, logo arrumaram um cantinho para nós e nos instalamos ali. O valor do camping incluía todas as alimentações e com a fome que estávamos demos sorte em chegar na hora do jantar, quando pedimos a comida vimos que tinha mais carne do que tudo (comemos apenas peixes e frutos do mar), a responsável pela cozinha vendo que queríamos só os vegetais logo veio nos perguntar o que comíamos para preparar a parte nosso café da manhã e almoço do dia seguinte, gentileza sem proporção, dia seguinte tinha um prato separado para nós! Teria sido perfeito se uma nuvem de mosquitos colombianos resistentes a repelentes não tivessem nos devorado, chegamos até a pensar que tinham dentes!

Dia seguinte indo para Bogotá decidimos que seguir para outro lugar, cidades grandes consomem tempo demais em deslocamento e a capital está em obras por todo canto, fomos adiante até Villa de Leyva uma pequena e bonita cidade histórica, fizemos o trajeto dos fósseis, dos poços azuis e da casa de barro. No último dia veio um senhor nos convidar para acampar em seu quintal e conhecemos um brasileiro que estava de férias, pena ser o último dia ali.

Villa de Leyva uma jóia de cidade!
Villa de Leyva uma jóia de cidade!
Casa de barro, uma curiosidade arquitetônica da Colômbia!
Casa de barro, uma curiosidade arquitetônica da Colômbia!
Banheiro da casa de barro!
Banheiro da casa de barro!

Passamos por San Gil em direção a outra pequena cidade histórica, Barichara. As pessoas aqui comem formigas eu experimentei e gostei não se parece com nada que já tenha comido então fica difícil descrever, Leo ainda não tomou coragem!

Dtalhes que fazem de Barichara única!
Detalhes que fazem de Barichara única!
Sossego em Barichara!
Sossego em Barichara!

Tirando algumas fotos na praça principal de Barichara eis que um senhor se aproxima perguntando se éramos os brasileiros, o acento dele nos pareceu diferente dos colombianos e logo ele disse que era uruguaio. Marcos nos convidou para um café contou-nos um pouco de suas façanhas como mochileiro, inclusive pelo Brasil e depois comentou que vivia ali com sua esposa e tinham um restaurante italiano e nos convidou para almoçarmos por lá. Agradecemos o convite, mas deixamos para ir mais tarde e assim caminharmos um pouco mais pela cidade. O restaurante deles fica na saída de Barichara para San Gil se chama Caruso e foi fácil de encontrar, sentamos com Marcos e sua esposa Susana para conversarmos e quando veio a comida, que delícia! Susana é a chef e prepara massa caseira e todos os ingredientes são naturais tudo isto acompanhado de uma gelada limonada e da ótima companhia deles, também nos ofereceram para acamparmos ali, mas pela primeira vez temos data para chegar a um lugar. Depois de tirarmos umas fotos para nosso registro pessoal aparece um motorhome e desce um casal perguntando pelos brasileiros. Eram os belgas com quem só tivemos contato por e-mail até o momento e que nos incentivaram a percorrer a Colômbia, incrivelmente nos conhecemos! Após mais uma hora de conversa seguimos então para Bucaramanga, o dia tinha sido ótimo e não parou por aí, quando paramos no mirante do Cañon del Chicamocha encontramos com um casal alemão viajando de moto, também ficamos mais um tempinho para trocar informações mas desta vez não dava para ficar muito e por fim chegamos já no meio da noite em Bucaramanga, mas foi tranqüilo encontrar um hotelzinho.

Durante este tempo que estamos na Colômbia temos mantido contato com as pessoas que farão os tramites para o transporte do carro para Miami que será no dia 17 de junho, e tínhamos que estar dois antes do embarque.

Saímos de Bucaramanga às 06:00h em direção a Santa Marta já na costa do Caribe, as pessoas tinham comentado que a estrada não era das melhores e que em média seriam 12 horas de viagem, mas apesar dos primeiros 100km de estrada estreita sem acostamento e com muitas curvas, o resto foi tranqüilo e acabamos chegando na bifurcação para Santa Marta e Cartagena bem antes do previsto e decidimos ir direto para a segunda.

Agora estamos em Cartagena curtindo está cidade que parece estar em chamas de tanto calor que faz atualmente, o lugar é bonito e cheio de atrações, mas iremos desfrutar somente depois de preparar toda a papelada.

A Colômbia nos reservou muitas surpresas, infelizmente as únicas notícias que chegam até nós é falando do lado negativo, mas basta percorrer suas estradas e conhecer suas cidades para perceber que o que as mídias fazem com este país é o mesmo que fazem com o nosso. Sim, tem problemas, mas tem muito mais coisas boas do que ruins, e em nenhum momento fomos incomodados pelos policiais ou militares, ou nos sentimos ameaçados, nossa única precaução foi evitar as estradas à noite, porque além do povo dirigir como louco, elas são estreitas em um relevo muito acidentado cheio de curvas e subidas e sem acostamento.

Certamente lembraremos deste país pelas lindas paisagens verdes, pelo seu povo hospitaleiro e curioso, por suas diferentes comidas, pelo jeito rápido de falarem e pela alegria contagiante.

Anúncios

10 comentários Adicione o seu

  1. luana disse:

    dani e leo estou adorando estas fotos !!!!!!!!!!!!!!!!!mil bjs e fiquem com deus

  2. Daniel Pina disse:

    Dani, esta viagem vai dar um livro. Não sei qual dos dois escreveu o texto, mas é muito limpo e bastante elucidativo. Só faltava esta…casal de escritores!
    Beijo do seu primo ainda desconhecido!

    1. expedicaoih disse:

      Com seu apoio vamos longe, é bom saber que gostam.
      Beijo grande em nossos queridos em Recife!

  3. Rodrigo Martins disse:

    Muito legal, quando estou lendo é como se eu estivesse vendo e ouvindo.

    Cara sempre que puder coma as formigas, rsrsrs

    Fotos e videos muito F…

    Saudade, grade abraço T+

  4. Rodrigo Martins disse:

    Fala cara,

    Você vai passar pelo Mexico na volta?

    1. expedicaoih disse:

      Fala querido,

      Vamos voltar pelo México sim!

  5. Eliane disse:

    Pelo visto vocês resolveram não passar pela Venezuela. Uma brasileira que conheci em Santiago, disse ser um país muito bonito, muito embora ela tenha se sentido um pouco insegura (viajava sozinha) disse que era uma rota que valeria a pena ser realizada em grupo.
    Estou amando poder participar (mesmo que no imaginário) das suas aventuras.
    Quando forem voltar a Cuzco não deixem de me avisar, eu também já estive lá e gostaria muito de voltar.
    Beijos aos dois e mui buena sorte.

    1. expedicaoih disse:

      Olá Eliane,

      A Venezuela faremos na volta, e pode deixar que quando voltarmos a Cusco te avisaremos, certamente a cidade merece mais de uma visita.
      Beijos para você e para Nazra!

  6. Elenice disse:

    ola

    Ficamos felizes de saber que vcs resolveram a conhecer a Colômbia. Como dizemos a Colômbia nao e o que falam, so assim conseguiremos acabar com este mito sobre Colômbia . Devemos fazer o mesmo sobre o Brasil e quem sabe receberemos mais visitante no Brasil.
    A viagem esta realmente fantastica. EStao de parabens .
    Um grande abraco
    Carlos e Elenice

    1. expedicaoih disse:

      Olá Elenice e Pezão,

      Vocês estão certos, temos que desmitificar o que a tv fala sobre certos locais, e isto inclui com certeza o nosso país! Todo lugar tem seus problemas, mas tem também suas belezas, valeu ter entrado na Colômbia!
      Grande abraço aos dois e obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s