E finalmente Canadá!

Saímos pela manhã de Seattle em direção à Vancouver, mas antes demos uma passada na loja brasileira Kitanda onde matamos um pouquinho da saudade comendo açaí e um pão de queijo!
Não tínhamos idéia de como era o processo fronteiriço, mas em pouco mais de 1 hora já estávamos no Canadá. Aqui eles fazem as mesmas perguntas de sempre e carimbam a entrada, quanto ao carro, ficam valendo os papéis de exportação temporária que retiramos em Miami.
Rodamos mais alguns quilômetros e chegamos à Vancouver. Não tínhamos idéia de onde dormiríamos, mas tínhamos uma revista que indicava alguns hotéis e resolvemos ir a um saber o preço. Nem precisamos dizer que achamos caro, pegamos o cartão do local e saímos a pé procurando outros, mas todos mais caros ainda, como já era final de tarde acabamos ficando no que tínhamos visto primeiro. Como é alta temporada o hotel estava cheio e só tinham disponível um quarto para uma noite, ou seja, precisaríamos sair no dia seguinte.
Aproveitamos as últimas horas de sol para darmos uma caminha pelas redondezas, já no hotel descobrimos que o administrador Joaquim, era um português,  casado com Josy uma brasileira de Fortaleza. Tão gentilmente o casal amigo ofereceu-nos seu sofá cama para ficarmos as próximas noites, mas não aceitamos receosos em incomodá-los. Conhecemos no hotel também a Elena, uma russa que mora há alguns anos por lá.
Dia seguinte deixamos o carro perto do hotel e fomos passear. Dia anterior paramos no centro para acessarmos a net e pagamos CAN2,00 por meia hora, assustador, mas ainda não imaginávamos o que estava por vir.
Passeamos pelo Stanley Park de onde se tem uma das melhores vistas da cidade, depois seguimos pela orla, sempre admirados com a beleza e organização de Vancouver, na volta para pegar o carro escolhemos as ruas mais centrais. Por toda parte existem belos gramados, flores e fontes. A nossa primeira idéia era seguir de ferry para a Ilha de Vancouver, mas desistimos quando vimos o preço, aliás, Canadá tem sido até agora o país mais caro nesta viagem, e Vancouver a mais cara cidade!

Trabalho constante dos castores!
Trabalho constante dos castores!

Quando fomos pegar o carro nos despedimos no casal amigo e da amiga russa e seguimos para buscar nova hospedagem. Andamos, andamos e andamos, e nada por menos de 100 dólares canadenses, estávamos realmente cansados e já queríamos ir embora de Vancouver, mas já de madrugada, rendidos e conformados em levar uma facada no bolso vimos uma placa indicando um RV Park e fomos lá tentar a sorte, e conseguimos! A senhora que nos atendeu disse para irmos logo dormir e deixar o pagamento para o dia seguinte, ou melhor, para assim que acordássemos, mas se acham que o preço foi bom, que nada pagamos CAN47,00 só pela área de camping, isto sem direito à luz e energia, mas melhor que o hotel. Definitivamente a palavra “barato” não combina com Vancouver e assim que levantamos fomos para nossa última tentativa de passeio pela Capilano Suspension Bridge , mas vimos e preço e botamos o pé na estrada.
Fomos seguindo para Whistler e no meio do caminho encontramos um camping bem aconchegante para dormirmos e acabamos ficando duas noites. Tínhamos falado com um canadense – Stuart Andrews, no engarrafamento quando saímos de Vancouver e demos nosso cartão para ele. Mais tarde ele escreveu um e-mail oferecendo ajuda e mais tarde foi nos visitar no camping, levou umas cervejas e um vinho, conversamos um pouco e ele disse que na verdade toda a região da British Columbia é cara, e eles costumam apelidá-la de British Cash!
Dia seguinte visitamos Whistler, e depois disto continuamos seguindo em direção à Quesnel, mas isto levou outras duas noites. Temos nos comunicado por e-mail com algumas pessoas daqui e elas sempre estão nos dando dicas, e foi assim que fomos parar em Barkerville. Mike, um canadense que conhecemos somente por e-mail nos disse que este local valeria a pena.

A cidade cenário!
A cidade cenário!
Doces de verdade!
Doces de verdade!

Barkerville é um vilarejo que surgiu quando Billy Barker achou ouro no local por volta de 1860, depois disto houve um “bum” e muitas pessoas foram para lá tentar a vida, inclusive chineses. Nós sentimos como se tivéssemos voltado ao tempo, foi como assistir uma peça de teatro só que a céu a aberto, durante todo o dia pessoas vestidas em trajes da época fazem apresentações narrando a história do local.
De lá seguimos para Prince Rupert, mas sempre parando para dormir e conhecer um pouco das paisagens da British Columbia. Foi neste trecho que vimos pela primeira vez três ursos pretos. Um deles correu muito quando fomos nos aproximando com o carro, o outro estava longe demais para ser fotografado, mas o terceiro estava na beira da estrada comendo frutas silvestres, e não ficou nenhum momento incomodado com a nossa presença, ficamos um bom tempo só admirando este grande animal.

Placas avisando sobre os ursos!
Placas avisando sobre os ursos!

Tivemos a prazer de conhecer o português João enquanto parávamos para comer uma pizza, ele nos fez companhia e dividiu um pouco da experiência dos 40 anos vivendo em Prince George.
O caminho até o Alasca ainda é longo, faltam mais ou menos 2.000km e nós decidimos entrar por Dawson City e fazer uma rota diferente, vamos subindo pela 37 Hwy e desceremos pela Alaska Highway.

Urso preto!
Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. Marina disse:

    Oi Dani! Oi Leo!
    Vim visitar vcs hj, Queria me atualizar das novidades!
    Que delícia está sendo a experiência hein?
    E quanta gente nova vcs estão conhecendo…
    Nós estamos na expectativa, adiamos nossa partida para outubro pois precisamos terminar o carro.
    Acompanhando vcs sempre, na torcida para que tudo de certo!
    Um forte abraço, Marina

  2. expedicaoih disse:

    Olá Marina,

    Bom ter notícias suas!
    Imagino quanta expectativa, mas é melhor ter tempo e partir seguros e tranquilos! Depois queremos ver as fotos do carro.
    Grande abraço!!!

  3. RODRIGO MARTINS disse:

    Vai ter que quebrar o porquinho, rsrsrs
    Estou acompanhando cada passo de vcs,
    Adoro os videos e as fotos, grande abraço t+.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s