Rumo ao topo!

Escolhemos um caminho bem diferente do que planejamos para entrar no Alaska, e para nós valeu cada mudança. No momento em que cruzamos a fronteira sentimos uma grande emoção, estávamos perto do extremo do nosso continente, ou pelo menos da parte extrema acessível por terra. A top of the world highway revelou vistas lindíssimas, e descobrimos que por aqui o outono já está dando suas caras, as cores estão mudando!

Nossa idéia era dormir em Tok e assim o fizemos. A fronteira foi o de sempre, só que desta vez confiscaram nossos tomates e tangerinas! A estrada já não era o asfalto que estávamos acostumados e temos que confessar que o Troller parecia rir de alegria.

Partimos cedo para Fairbanks, cidade que superou nossas expectativas. O céu estava limpo sem nenhuma nuvem, as pessoas faziam picnics por toda parte, haviam famílias inteiras passeando às margens do rio, e os preços que esperávamos serem altíssimos, não eram, ao contrário de Yukon no Canadá?! Enfim, o diesel tinha um preço melhor do que da Califórnia e o camping também era mais em conta, e de fato a única coisa que por lá não funciona 100% é a internet.

Aproveitamos para visitar o Museum of the North, o Ice Museum Arts e o Pionner Park. O primeiro tem uma arquitetura super interessante e amostras também, o segundo valeu apenas pela apresentação do escultor japonês porque de resto é uma apresentação no PowerPoint e algumas poucas esculturas de gelo expostas, vale mais a pena vir em março assistir ao festival de esculturas em gelo, o terceiro é um lugar histórico e gratuito, muito agradável e que recomendamos.

Na segunda noite no camping em Fairbanks fomos fazer uma das nossas visitas noturnas ao banheiro e ganhamos na loteria ao ver nossa primeira aurora boreal, não durou mais do que 10 minutos, mas foi o suficiente para nunca mais esquecermos as luzes verdes dançantes do céu do norte, indescritível!

Levantamos e fomos ao Visitor Center da cidade para fazer as reservas do tour até o Ártico (não é permitido a entrada de carros particulares, você tem que pagar um tour em ônibus para chegar ao mar, no máximo você pode ir até Deadhorse e dormir por lá), e aproveitamos para saber das condições da Dalton Highway. A estrada que vai de Fairbanks até Deadhorse é considerada a mais perigosa daqui, e nos fizeram muitas recomendações quanto às más condições em determinados trechos, ao fato de não ter acostamento, de não parar por nada na estrada e tomar cuidado, sobretudo com os caminhões que trafegam por ali em altas velocidades. Saímos de lá sem saber exatamente o que encontraríamos pela frente, mas dispostos a percorrer este longo e solitário trecho.

Felizes por ter visto a aurora e por estarmos tão perto de atingirmos o extremo colocamos tudo dentro do carro e partimos logo pela manhã. No meio do caminho reencontramos a família brasileira com quem falamos em Dawson City, mas o destino deles era diferente então nos despediu e seguimos. Nossa primeira parada foi no Círculo Polar Ártico, ali sim atingimos a latitude dos pólos. Mais alguns quilômetros e mergulhamos de vez na Dalton Hwy, simplesmente uma das mais lindas rodovias que percorremos! Cores fantásticas, tundras vermelhas, lagos, montanhas, animais. Chegamos à Coldfoot onde dormimos no camping, aliás, só nós porque o restante do pessoal que estava por lá preferiu o hotel, e a razão disto descobrimos durante à madrugada quando a temperatura de 20°C despencou para -4°C, resultado disto, noite mal dormida!

Coldfoot, frio para C...!
Coldfoot, frio para C…!
Ainda tem gente caçando ouro por aqui!
Ainda tem gente caçando ouro por aqui!

Acordamos muito cedo porque precisávamos chegar a tempo do tour das 17:00 e disseram que de lá até Deadhorse seriam em torno de 8 a 10 horas, porque o trecho a partir dali era o pior de todos, o que é verdade. Nós fizemos este trecho em 7 horas, correndo? Não, tranqüilos! Quanto aos caminhoneiros, vimos apenas alguns e estes não estavam correndo. O que mais vimos foram caçadores, aqui está aberta a temporada de caça. Temos certeza que muitas vezes atrapalhamos alguns deles, porque enquanto eles queriam silêncio e entravam tundra a dentro passo a passo para caçarem caribus, nós simplesmente fazíamos o mesmo, mas para conseguirmos fotografar, mas depois achamos melhor evitar tal atitude porque poderíamos ser atingido por algum deles que não tivesse nos visto, e este foi sim o maior perigo que encontramos nesta estrada.

Continuando pela estrada, chegamos ao nosso hotel faltando quatro horas para o tour e aproveitamos para descansar. Entramos no ônibus e o guia foi explicando tudo sobre está zona industrial petrolífera, depois disto vimos alguns animais, mas nenhum urso, nem polar nem grissly, depois de uns 30 minutos estávamos ali diante do nosso objetivo, o Oceano Ártico, simplesmente frio e marrom! Claro que ninguém vem aqui para pegar ondas ou um solzinho, mas é realmente sombrio, talvez num dia bonito seja mais agradável. Algumas pessoas aproveitaram para dar um mergulho! Brincadeirinha, o que aconteceu foi que uma senhora quando se aproximou para tocar o mar atolou um pé e foi de cara na água, depois disto tivemos que fazer uma corda humana para retirá-la, pois o primeiro herói atolou também! Tirando os contratempos ficamos felizes em chegar até aqui, e para ser sinceros valeria a pena percorrer mais umas 10 vezes a Dalton, linda!!!

Voltamos ao hotel e fomos dormir dia seguinte não iríamos direto para Fairbnaks, não queríamos enfrentar novamente o frio de Coldfoot.

Foram 12 horas de viagem, entre paradas para admirar e fotografar e nosso almoço, novamente achamos a estrada tranqüila, com mais movimento, porém sem nenhum caminhoneiro correndo, aliás, muitos diminuíam quando nos viam e acenavam. Chegamos com sol, embora não tenhamos tido ânimo para levantar no meio da madrugada esperar pela Aurora Boreal.

A rara coruja albina!
A rara coruja albina!

Foi assim que se passaram os nossos primeiros seis dias no Alaska e a impressão que tivemos foi de um lugar mágico, com gente boa e muito o que ensinar!

Oceano Ártico!
Anúncios

6 comentários Adicione o seu

  1. Luana Martins disse:

    Parabens queridos!!!!!!!! Belissimas fotos to torcendo muito por vcs, abçs
    Luana>>>

  2. RODRIGO MARTINS disse:

    PARABÉNS!!!!!!!!! eu sabia que ia dar tudo certo estou muito feliz por vcs. Tudo de bom.
    Cuidado nas estradas, saúde e sucesso.
    Um grande abraço, aguardo novas historias.

  3. Dani disse:

    Complimenti per essere arrivati fin lassú!

  4. Camila Picolli disse:

    Que máximo!! Parabéns por terem chegado aí… imagino a emoção!
    Por aqui o outono também começou a aparecer… está mais calor do que quando vcs estiveram em Seattle, mas as árvores estão começando a ficar “alaranjadas”. Depois colocarei fotos no blog.

    beijão e boa viagem!!!

  5. Marina disse:

    Parabéns Queridos!!! Missão cumprida com muita beleza e aventura!!!
    Na torcida sempre! Marina e Mauro

  6. Regis disse:

    Aeee parabens \o/

    Mesmo não comentando muito, continuamos acompanhando vocês =)

    Boa Viajem!! =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s